China quer ampliar presença militar na América Latina em parceria com governos




A China planeja ampliar a cooperação com os países da América Latina e do Caribe no domínio militar e no combate ao terrorismo, diz-se no documento sobre os principais rumos da política chinesa nesta região, divulgado na quinta-feira (24) pela agência Xinhua.

O documento divulgado pela Xinhua frisa que a China se empenhará ativamente no intercâmbio e cooperação militar com os países latino-americanos e caribenhos, aumentará o número de intercâmbios de parceria entre os Ministérios da Defesa e chefias militares de ambos os países, reforçará o diálogo político e criará mecanismos de reuniões de trabalho entre os militares chineses, latino-americanos e caribenhos.

Segundo diz o texto, a China fomentará o envio recíproco das delegações militares e visitas dos tribunais militares de ambas as partes, estreitará os laços profissionais em tais esferas como a preparação de quadros e forças de paz.



A China também está disposta a ampliar a cooperação na prestação de assistência na liquidação de cataclismos, no combate ao terrorismo e noutras esferas de segurança. A RPC (República Popular da China) também planeja contribuir para cooperação na área do comércio de armamentos e tecnologias militares. Além disso, de acordo com o texto, Pequim tem intenção de ampliar a cooperação com países latino-americanos e caribenhos em outras esferas, tais como energia, finanças, recursos naturais, construção de infraestruturas, estudos de engenharia, transportes, logística, informações e emissões televisivas.

Mostrar mais: https://br.sputniknews.com/asia_oceania/201611246926290-china-caribe-america-latina-militar-cooperacao/