Afonso do Tripléx, diz que usou o tema do Tripléx para tentar se eleger e se promover






Testemunha ainda admitiu que corretores espalhavam boastos de que Lula era o dono do apartamento no Guarujá para alavancar as vendas, mesmo não tendo nenhum documento provando a compra

Jornal GGN – O ex-zelador do Condomínio Solaris José Afonso Pinheiro admitiu o ao juiz Sergio Moro que usava os boatos de que Lula era o dono de um apartamento triplex – que a Lava Jato afirma ter sido pagamento de propina da OAS – para tentar ganhar a eleição para vereador em Santos, em outubro passado.

Pinheiro foi demitido do Condomínio em abril de 2016, quando o caso envolvendo o ex-presidente da República passou para as mãos da Lava Jato. Exaltado por conta da “crise” e se dizendo prejudicado pelo escândalo, o ex-zelador se exaltou com a defesa de Lula quando passou a ser questionado sobre como entrou para a política. Ele foi convidado a se filiar ao PP e adotou em sua campanha o slogan “Afonso do Triplex”.

“Eu perdi meu emprego, perdi a minha moradia, e aí você vem querer me acusar, falar alguma coisa contra mim? Como é que você sustentaria a sua família? Você nunca passou por isso! Quem é você para falar alguma coisa contra mim? Vocês são um bando de lixo! Isso que vocês são. O que vocês estão fazendo, fizeram com nosso país, isso é coisa de lixo!”, disparou a testemunha.



Moro disse, então, que respeitava a opinião de Pinheiro, mas pediu um pouco mais de “calma” e objetividade nas respostas.

O advogado Cristiano Zanin Martins retomou o interrogatório, tentando produzir provas de que Pinheiro não é uma testemunha que tenha compromisso com a verdade, uma vez que tem interesse em explorar politicamente o caso envolvendo Lula.

Quando Zanin perguntou se nas conversas com o PP, já teria ficado acertado que o triplex seria citado na campanha, Pinheiro respondeu. “Nada mais justo. Eu era o afetado, eu que fui prejudicado. Nada mais justo que usar o triplex como outros candidatos usam outro nome qualquer. Nada mais justo que as pessoas saberem que eu era o zelador do triplex.”

Zanin tentou obter mais detalhes sobre atuação política de Pinheiro, mas Moro interrompeu a audiência e ameaçou indeferir as perguntas: “Tá uma linha um pouco ofensiva mesmo e acho que a testemunha já respondeu. Qual a relevância disso?”, indagou. O advogado de Lula não quis explicar qual a estratégia da defesa e reafirmou seu direito de deixar as perguntas registradas.

Moro impediu que o ex-zelador respondesse as seguintes perguntas: quem apoiou para o cargo de prefeito de Santos em 2016; na campanha, fez referências ou discursos citando Lula; participava de coligações políticas de oposição ao PT?

O juiz da Lava Jato disse que, de seu ponto de vista, a defesa de Lula estava “sugerindo que a testemunha está mentindo em juízo por causa da campanha eleitoral. É ofensivo!”

Mais à frente, Pinheiro disse que Marisa Letícia visitou o triplex no Guarujá se comportando como se fosse proprietária, e não apenas interessada no imóvel. “Eu tenho mais de 20 anos de experiência como zelador e você percebe quando a pessoa se apresenta como proprietária ou alugante. Eu não sou ignorante.”

Zanin rebateu: “Você viu documento que prova que Lula era dono?”

O procurador da Lava Jato tentou impedir a resposta: “Ele já disse que [Marisa] se comportava como dona. Essa pergunta era irrelevante!”

Moro permitiu a resposta, e Pinheiro admiti: “Não, não vi documento.”



A testemunha também admitiu que corretores “falavam verbalmente, sem documentos”, que Lula era dono do apartamento 164-A para tentar alavancar as vendas no Condomínio. “Não me deram [explicações] e eu nunca perguntei [por que faziam isso], nunca me interessei por esses detalhes”, disse o ex-zelador.

Em outra situação, o procurador também quis impedir que a testemunha respondesse que recebeu orientação para não dizer que Lula era dono do triplex, pois estava em nome da OAS.

Ao final, Moro reiterou que Pinheiro não estava sendo acusado de nada e “lamentou” que ele tenha perdido o emprego ou que tenha sido “ofendido” pelo advogado de Lula.

Quando a audiência estava encerrada, foi possível ouvir uma voz questionar Moro se ele também não lamentava que a defesa de Lula tenha sido desrespeitada durante a oitiva, ao que o juiz respondeu que não, porque o advogado escolheu adotar uma linha ofensiva. Para Moro, inclusive, chamar a defesa de “lixo” foi apenas “um pouco de excesso da testemunha”.

Tags