ASSISTA: Apresentadora da Record diz que índio tem que morrer de malária e sem remédio




 
Diário do Centro do Mundo, Kiko Nogueira
A jornalista Fabélia Oliveira, do programa “Sucesso no Campo”, da TV Record de Goiás, não gostou do samba enredo deste ano da Imperatriz Leopoldinense.

Fabélia não se incomodou com a letra, o ritmo, a evolução na avenida — ou qualquer outra daquelas enganações que valem notas fracionadas e perpetuam a chatice infinita da folia de momo.

Ela se indignou com o tema. “Xingu, o Clamor que Vem da Floresta! faz críticas ao agronegócio. Fala que o “belo monstro” (corruptela de Belo Monte) “rouba as terras, devora as matas e seca os rios”.



Na televisão, Fabélia chamou de heróis “os produtores que trabalham de sol a sol” para alimentar a população. “Que conhecimento eles [os autores] têm para falar do homem do campo? Para falar do índio, da floresta?”

Ela é favor de que se preserve a cultura dos silvícolas, mas com ressalvas: “se o índio for original”.

Ainda perpetrou este solo:

Deixar a mata reservada para comer de geladeira não é cultura indígena, não. Eu sinto muito. Se ele quer preservar a cultura ele não pode ter acesso à tecnologia que nós temos. Ele não pode comer de geladeira, tomar banho de chuveiro e tomar remédios químicos. Porque há um controle populacional natural. Ele vai ter que morrer de malária, de tétano, do parto. É… a natureza. Vai tratar da medicina do pajé, do cacique, que eles tinham. Aí justifica.

De acordo com o site Outras Palavras, Fabélia é “ligada ao setor”. A emissora podia esclarecer o que isso significa. Vai além do patrocínio do horário?

Falta uma explicação mais ou menos racional para alguém ser capaz de disparar esse tipo de barbaridade na maior.

Ou já nos locupletamos todos?