Bolsonaro votou a favor a favor de projetos de Temer que cortam direitos, salários, saúde e educação

Bolsonaro tenta emplacar que é candidato “outsider” fora do sistema político, que se retroalimentou do vazio político e do ódio que moveram contra Lula e o Partido dos Trabalhadores que foi capitalizado por Bolsonaro e não pelo PSDB, PMDB como inicialmente pensavam. Veja como votou Bolsonaro a favor de projetos impopulares de Temer, que tiram direitos,salários, cortam orçamento da saúde e educação, mostrando que só o discurso de Bolsonaro é que é diferente de sua prática.



1- Bolsonaro votou a favor da PEC 55

A PEC 55 – conhecida como #PECdoFimdoMundo – foi aprovada no ano passado. Essa emenda na constituição prevê o congelamento de investimentos do governo em saúde, educação, moradia, entre outras por 20 anos. Jair e Eduardo Bolsonaro chegaram a se manifestar contra a Lei mas no dia da votação mudaram de ideia e votaram a favor do governo o que revoltou seus seguidores.

A própria ONU lançou parecer contra a PEC 55, dizendo que ela irá esmagar os mais pobres e irá acabar com a saúde, educação e seguridade social no Brasil.




2- Bolsonaro votou a favor da Reforma Trabalhista

O voto de Bolsonaro e família a favor da Reforma trabalhista pode ser conferido aqui no G1.

A Reforma Trabalhista prevê entre outras medidas o aumento da jornada de trabalho de 44h para 48h semanais, o aumento do trabalho temporário de 90 para 120 dias, e a prevalência do negociado sobre o legislado. Isso significa que a CLT (legislado) não vale mais. O que vale é o que for negociado entre patrão e sindicato. É evidente para qualquer trabalhador que o trabalho que já tava difícil vai ficar ainda pior.

Leia tambémRepresentante da 7ONU diz que Brasil aplicará o mais duro ataque aos pobres no mundo

Além de outras perdas de direitos, retira a obrigatoriedade na prática do 13º salário, além da Organização dos Estados Americanos aceitar denúncia contra a reforma trabalhista por seus direitos que serão perdidos Leia aqui

3- Bolsonaro e a terceirização

O projeto de lei (PL 4302/98) aprovado permite a terceirização até da atividade-fim de uma empresa. Ou seja, uma escola poderá terceirizar não apenas o serviço de limpeza, mas até contratação de seus professores, por exemplo. Os operários e principalmente as operárias terceirizadas sabem como é terrível ser terceirizado: salários menores, piores condições de trabalho, menos direitos e benefícios, muitas vezes sem sindicato e um longo etc. Os terceirizados são trabalhadores precarizados, tratados como de 2ª divisão.

Apesar disso Jair Bolsonaro se absteve da votação. Abstenção é não votar a favor nem contra. Por que Jair Bolsonaro ficou em cima do muro numa lei que prejudica tanto o povo trabalhador? Acho que ele não quer perder a popularidade com a maioria dos trabalhadores que apoiam ele e nem com os empresários que financiam suas campanhas. Seu filho Eduardo Bolsonaro não hesitou: votou a favor da Lei.