em Denúncias

Empresa de ex-mulher de Wassef recebeu R$ 41 milhões do governo Bolsonaro

21/06/2020

A empresa de ex-mulher de Wassef, recebeu entre janeiro de 2019 até março de 2020, um total de R$ 41,6 milhões por serviços prestados de informática e tecnologia da informação para o governo federal.  Wassef é o advogado que tinha Queiroz, em seu imóvel em Atibaia até o momento da prisão do ex-assessor de Flávio.




Uma empresa ligada a ex-mulher  e sócia de Frederico Wasssef, advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ)  e também de Bolsonaro, recebeu  cerca de R$ 41,6 milhões durante a gestão de Bolsonaro. Os valores se referem a janeiro de 2019 até março de 2020.

Segundo informações do UOL,  os valores pagos a empresa da ex-mulher de Wassef, em apenas um ano e 3 meses, somam  os valores, pagos pela gestão “compartilhada” de quatro anos de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB) que somou um total de 42 milhões.




Em apenas um ano e três meses (março 2020) foram pagos a empresa da ex-mulher e sócia de Wassef o total de R$ 41,6 milhões.

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

Entre no nosso canal de Telegram e receba nossos conteúdos por lá

A empresa presta serviços de informática e tecnologia da informação a diversos orgãos da administração federal.

VÍDEOS RELACIONADOS:
Inscreva-se no nosso Canal:

O governo Bolsonaro também havia fechado  novos contratos com a empresa Globalweb Outsourcing, ligada a ex-mulher de Wassef, os valores dos contratos são de R$ 53 milhões a serem pagos nos próximos anos.

Questionado, Wassef, diz ”não ter relação nenhuma com a empresa” e diz que isso seria uma ”perseguição de outro ex-marido de sua ex-mulher” e defendeu Jair Bolsonaro por fim.




Foi em um imóvel do advogado Frederico Wassef, que Queiroz foi encontrado e preso, na última quinta-feira (18). Segundo relatos de vizinhos, Queiroz fazia churrascos, festas, mesmo na quarentena. Questionado por uma repórter da Globo, Wassef disse que  ”Queiroz não estava escondido em seu imóvel”.

Em junho de 2019, a empresária ex-mulher de Wassef, foi condenada por improbidade administrativa no ‘‘Mensalão do DEM” e foi proibida de fechar contratos com a administração pública até 2022. Sentença do juiz  Mário Henrique Silveira, da 2ª Vara de Fazenda Publica do Distrito Federal.

O UOL traz a informação em sua reportagem, que apesar de Wassef e Cristina, estarem separados, ele a representa em processos judicias e tem uma sociedade.

Com informações do UOL

 

Instagram siga Falandoverdades no Instagram

Os comentários estão desativados.

<--retirado daqui os relacionados Mobile -->