procurador da republica Carlos Fernando dos Santos Lima.

Ex-Procurador da Lava Jato admite que Bolsonaro era o candidato da Operação

O procurador Carlos Fernando, um dos principais e mais agressivos líderes da Lava Jato, agora aposentado, admitiu que Jair Bolsonaro era o candidato preferido da operação e que o PT era visto como inimigo por Moro e os procuradores. “É evidente que, dentro da Lava Jato, dentro desses órgãos públicos, de centenas de pessoas, existem lava-jatistas que são a favor do Bolsonaro”, afirmou. “Naturalmente, na Lava Jato, muitos entenderam que o mal menor era Bolsonaro”

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

247 – O procurador Carlos Fernando, um dos principais e mais agressivos líderes da Lava Jato, agora aposentado admitiu que Jair Bolsonaro era o candidato preferido da operação. A revelação é mais uma prova de que a Lava Jato foi uma operção político-judicial com o objetivo de perseguir o PT e inviabilizar a candidatura de Lula e uma nova vitória do partido em eleições presidenciais.



“Infelizmente, no Brasil, nós vivemos um maniqueísmo, né? Então nós chegamos… Inclusive, no sistema de dois turnos, faz com que as coisas aconteçam dessa forma. É evidente que, dentro da Lava Jato, dentro desses órgãos públicos, de centenas de pessoas, existem lava-jatistas que são a favor do Bolsonaro. Muito difícil seria ser a favor de um candidato que vinha de um partido que tinha o objetivo claro de destruir a Lava Jato. Seria muito difícil acreditar que…”, afirmou ele ao programa GloboNews Painel. O relato foi publicado na coluna de Reinaldo Azevedo.

“Naturalmente, na Lava Jato, muitos entenderam que o mal menor era Bolsonaro. Eu creio que essa era uma decisão até óbvia, pelas circunstâncias que Fernando Haddad representava justamente tudo aquilo que nós estávamos tentando evitar, que era o fim da operação. Agora, infelizmente, o Bolsonaro está conseguindo fazer”, acrescentou o procurador, que participou de um debate como advogado Walfrido Warde e conduzido pela jornalista Renata Lo Prete.




A uma semana do primeiro turno, Sérgio Moro, então juiz da Lava Jato e atual ministro da Justiça, liberou a delação premiada de Antonio Palocci para prejudicar o PT, que tinha como candidato Fernando Haddad.

Moro recebeu o convite da equipe de Bolsonaro para ser ministro ainda durante a campanha eleitoral.