Investigação contra braço direito de Bolsonaro, foi motivo de guerra com a PF

Uma investigação da PF contra o deputado federal Hélio Negão (PSL-RJ), amigo íntimo e braço direito de Bolsonaro, foi o motivo da guerra que o ocupante do Planalto declarou nas últimas duas semanas à instituição. Há 12 dias, Bolsonaro esbravejou, referindo-se a uma “bomba” que estaria “para estourar” em “uma pessoa importante que está do meu lado”. O recado era para a PF do Rio, pilotada por Ricardo Saadi



247 – Uma investigação da Polícia Federal contra o deputado federal Hélio Negão (PSL-RJ), amigo íntimo e braço direito de Bolsonaro, é o motivo da guerra do ocupante do Planalto a instituição. Há 12 dias, ele esbravejou no portão do Palácio da Alvorada referindo-se a uma bomba que estava “para estourar” em “uma pessoa importante que está do meu lado”. O recado era para a PF do Rio, pilotada por Ricardo Saadi. A informação foi revelada por Veja.

Bolsonaro havia lançado Hélio Negão a prefeito do Rio, mas o parlamentar virou recentementa alvo de investigação da PF por crimes cometidos há mais de 15 anos. Na PF, fala-se que uma ala da polícia mirou em Negão porque ele teria “queimado” Saadi no Planalto. O tiro, no entanto, atingiu o diretor Maurício Valeixo.




O centralismo de Bolsonaro agora está cada vez mais evidente. Se não bastassem a blindagem do Judiciário às investigações sobre o envolvimento da família dele com milícias e acerca do esquema de lavagem de dinheiro que beneficiava do senador Flávio Bolsonaro (PSL) quando este era deputado estadual, o ocupante do Planalto deixa claro que não está nem um pouco disposto a fazer a chamada “nova política”.

O deputado do PSL Hélio Negão ficou conhecido após Bolsonaro fazer dele uma “prova” de que o chefe do Planalto não é racista. Utilizando o sobrenome da família Bolsonaro, o parlamentar se candidatou a deputado federal pelo PSL, e foi o mais votado do Rio de Janeiro com 345 mil votos.