‘Mais vítima vai aparecer’, diz Moro em áudio a deputado sobre diálogos vazados

DA VEJA

Em uma reunião com o deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP) na tarde desta quarta-feira, 12, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou que haverá novas “vítimas” dos vazamentos de mensagens do aplicativo Telegram, possivelmente parlamentares. Um áudio de cerca de oito minutos do diálogo entre o ministro e o parlamentar foi obtido por VEJA por meio de uma ligação do repórter ao celular de Russomanno pelo aplicativo WhatsApp, que ele atendeu sem querer. O arquivo contém longos trechos inaudíveis, mas é possível ouvir com clareza declarações de Moro (ouça o áudio completo abaixo). O telefonema ao parlamentar foi feito por volta das 15hh15 desta quarta.



No último domingo, o site The Intercept Brasil divulgou mensagens trocadas entre Moro e o coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, nas quais o ex-juiz orienta uma investigação da força-tarefa da operação sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cobra a deflagração de novas ações e até antecipa uma decisão. Moro atribui o vazamento das informações à atuação de hackers. O site afirma que recebeu o material de uma fonte anônima.

A reunião entre Moro e Russomanno, no gabinete do ministro, começou às 14h30, segundo a agenda oficial do ministério. Além dos dois, o áudio indica a presença de pelo menos mais uma pessoa, de nome Lucas, aparentemente levada ao encontro por Russomanno.




Sobre os diálogos vazados pelo The Intercept Brasil, Moro disse a Russomanno e Lucas ter “ouvido falar” que parlamentares também foram alvos de invasões de hackers. “Quando apareceu [inaudível] era montado, acho que invadiram dos procuradores, ficou esse negócio sendo remoído. Mas eles estão invadindo ainda muita gente, já ouvi falar que invadiram parlamentar lá também”, disse o ministro da Justiça.

Em um outro trecho da conversa, 17 segundos depois do fim da fala de Moro, Russomanno enumera precauções tomadas em relação a novos vazamentos. Não é possível entender, no entanto, a respeito de qual sistema ele está se referindo.

“[inaudível] Foi tirado o sistema do ar, foi mudado a senha de todos os funcionários, de todo mundo, porque estava tudo vulnerável, tudo, tudo, tudo, é absurdo. Um trabalho que a gente desenvolveu lá, foi o Lucas que fez com a equipe. Mas infelizmente nós estamos vivendo em um mundo que é um mundo de dados, e se a gente não estiver na rede de proteção de dados, nós vamos ter problemas sérios quanto a isso [inaudível] Vamos trabalhar”, declarou o parlamentar.

Em seguida, Moro fala sobre possíveis novas “vítimas” das invasões, o que levaria à criação de um “cenário positivo” para tratar de uma “iniciativa” citada na reunião por Russomanno. Não é possível entender, no curso do diálogo, que medida seria essa, mas o deputado é um dos mais ativos nos debates sobre segurança da informação no Congresso e teve participação na elaboração da Lei de Proteção de Dados.

“Talvez esperar um pouquinho aí porque vai ter mais vítima para aparecer, aumenta o cenário positivo aí para uma iniciativa dessa espécie e aí podemos trabalhar junto”, afirmou o ministro.

Durante a conversa, Russomanno também orienta Lucas a explicar “como funciona a cebolinha”, em uma possível referência ao navegador Tor, cujo ícone é uma cebola. O aplicativo evita vigilância online e é, em tese, mais “seguro” para navegar.



OUÇA OS ÁUDIOS:

(…)