O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimonia na tarde desta quinta-feira, no Palacio do Planalto, que marca o lancamento do projeto SecomVC. A proposta e lancar paginas em redes sociais para difundir noticias positivas do governo. Serao perfis no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube. Em meio aos ultimos desgastes envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, como a indicacao de seu filho Eduardo Bolsonaro a Embaixada do Brasil em Washington, o governo decidiu por este lançamento de paginas em redes sociais para divulgar noicias consideradas positivas sobre suas acoes. A motivacao e o discurso repetido pelo presidente de que a gestao e vitima de noticias mentirosas e, por isso, precisa se defender. O objetivo e apontado pela Presidencia como "divulgar informacoes positivas e conquistas do governo". Brasilia, 22-08-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Marcas estrangeiras suspendem compra de couro brasileiro por conta da Amazônia

Folha de São Paulo

Marcas internacionais, como Timberland, Vans e Kipling, suspenderam a compra de couro brasileiro devido às notícias relacionando as queimadas na região amazônica com o agronegócio no país, segundo informações do CICB (Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil) enviadas ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, nesta terça-feira (27).



“Recentemente, recebemos com muita preocupação o comunicado de suspensão de compras de couros a partir do Brasil de alguns dos principais importadores mundiais. Este cancelamento foi justificado em função de notícias relacionando queimadas na região amazônica ao agronegócio do país”, disse o presidente da CICB, José Fernando Bello, no documento.

Clique aqui e receba nossas notícias no Whatsapp

Entre as marcas que já solicitaram a suspensão de compra de couro do Brasil estão Timberland, Dickies, Kipling, Vans, Kodiak, Terra, Walls, Workrite, Eagle Creek, Eastpack, JanSport, The North Face, Napapijri, Bulwark, Altra, Icebreaker, Smartwoll e Horace Small.




“Entendemos com muita clareza o panorama que se dispõe nesta situação, com uma interpretação errônea do comércio e da política internacionais acerca do que realmente ocorre no Brasil e o trabalho do governo e da iniciativa privada com as melhores práticas em manejo, gestão e sustentabilidade”, afirmou Bello.

(…)