Brazilian president-elect Jair Bolsonaro gestures as he delivers a joint press conference with Brazilian President Michel Temer (out of frame) after a meeting in Brasilia on November 7, 2018. (Photo by EVARISTO SA / AFP)

Memorial israelense reage a afirmação de Bolsonaro de que é possível ‘perdoar o Holocausto’

Folha de São Paulo

Em reação à afirmação do presidente Jair Bolsonaro, na quinta-feira (11), de que “podemos perdoar, mas não esquecer” o Holocausto, o museu Yad Vashem divulgou comunicado neste sábado (13) no qual diz que “não é direito de nenhuma pessoa determinar se crimes hediondos do Holocausto podem ser perdoados”.

O centro de memória do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, é um museu dedicado a homenagear as vítimas e os que combateram o genocídio de seis milhões de judeus pelos nazistas.

“Desde a sua criação, o Yad Vashem tem trabalhado para manter a lembrança do Holocausto viva e relevante para o povo judeu e a toda humanidade”, completa a nota.


Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante visita à Exposição “Flashes of Memory – Fotografia durante o Holocausto”, localizada no Yad Vashem, Centro Mundial de Memória do Holocausto, em Jerusalém, Israel. (Foto: Reprodução EBC)

Na quinta-feira, durante encontro com evangélicos no Rio de Janeiro, Bolsonaro disse: “Fui, mais uma vez, ao Museu do Holocausto. Nós podemos perdoar, mas não podemos esquecer. E é minha essa frase: Quem esquece seu passado está condenado a não ter futuro. Se não queremos repetir a história que não foi boa, vamos evitar com ações e atos para que ela não se repita daquela forma”. ​

Sem citar Bolsonaro, o presidente de Israel, Reuven Rivlin, publicou, também neste sábado, em uma rede social, duas mensagens em consonância com o comunicado do Yad Vashem.

Quando Lula visitou o Memorial do Holocausto em Israel e levou coroa as vítimas do holocausto nazista. Foto: AFP

“Nós sempre iremos nos opor a aqueles que negam a verdade ou aos que desejam expurgar nossa memória —nem indivíduos ou grupos, nem líderes de partidos ou premiês. Nós nunca vamos perdoar nem esquecer.”

Na sequência, Rivlin afirmou que “líderes políticos são responsáveis por definir o futuro”.

Leia também:

“Historiadores descrevem o passado e pesquisam o que aconteceu. Ninguém deve entrar no território do outro.”

Antes, o presidente de Israel escreveu que o “povo judeu sempre vai lutar contra o antissemitismo e a xenofobia”.

Veja Bolsonaro falando sobre perdoar holocausto