O documento da Presidência que destroi o Power Point de Dallagnol contra Lula





Fernando Brito, Tijolaço

O caso do triplex do Guarujá desmoronou.

A defesa de Lula divulgou um documento, em resposta a um pedido de informações de Sérgio Moro, que derruba toda e qualquer possibilidade de que Lula, como alega o “Esquadrão Powerpoint”, tenha utilizado o famoso “tríplex” do Guarujá.




Emitida dia 15 de março, a nota da diretora de Finanças da Casa Civil, a quem cabe autorizar pagamento de diárias de viagens aos auxiliares que funcionam (como manda a lei) ao lado de um ex-presidente, registra que eles estiveram uma única vez na cidade.

Exatamente entre os dias  3 e 13 de janeiro de 2011, hospedado no forte do Exército que existe lá, a convite do então ministro da Defesa, Nélson Jobim.

Aliás, na época o moralismo levantou a questão de se Lula, que acabara de deixar a Presidência, podia ficar num simples hotel de trânsito de oficiais, instalações simples e despojada de luxo, como são os estabelecimentos militares.




Lula, portanto, só esteve no apartamento uma vez no apartamento que a “moraria” de Curitiba diz ser dele. Para ver o apartamento e dizer que não queria comprar.

É dele e ele nunca mais esteve lá?

Moro vai condená-lo, afinal, com base em que?

Não vem ao caso, ora.

Ah, aproveite para ver abaixo o “luxo” com que Lula se hospedou no Hotel de Trânsito da Brigada Antiaérea.