Para mídia estrangeira, vazamentos mostram ação para evitar volta de Lula ao poder

A revelação de mensagens que mostram que o ex-juiz federal, atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, orientou as investigações da operação Lava Jato em Curitiba começou a ganhar repercussão internacional no início da manhã desta segunda-feira (10).

Além da publicação da reportagem original em inglês pelo próprio site Intercept (ele mesmo parte da imprensa internacional e responsável pela revelação), outras publicações como o jornal americano The Washington Post, a agência de economia Bloomberg, o jornal francês Le Monde e a rede árabe Al Jazeera já publicaram textos sobre o caso.



O destaque inicial dado pela maioria das publicações estrangeiras é de que os vazamentos mostram uma ação organizada para barrar qualquer tentativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de voltar ao poder.

Segundo o próprio título da reportagem da Al Jazeera, Lula foi condenado para não poder concorrer à Presidência. “O ministro da Justiça do Brasil e promotores públicos colaboraram para condenar o esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva por acusações de corrupção para impedi-lo de disputar a eleição de 2018”, diz.




O Le Monde também questiona o uso da Lava Jato contra o ex-presidente e diz que o vazamento mostra problemas na investigação contra a corrupção. “E se o maior escândalo de corrupção na história do país tivesse sido manipulado? Com base em vazamentos potencialmente explosivos, o site norte-americano The Intercept revelou informações indicando que os responsáveis pela investigação contra a corrupção Lava Jato no Brasil manobraram para impedir o retorno do ex-presidente de esquerda Lula ao poder em 2018”, diz o Monde.

LEIA TAMBÉM:

O Washington Post também publicou um relato sobre o caso e destacou que Moro lamentou o vazamento das informações.

Em uma primeira análise sobre possíveis impactos dos vazamentos, a agência de economia Bloomberg avalia que “as revelações aconteceram em um momento delicado para o presidente [Jair Bolsonaro], que está tentando reunir apoio político para aprovar uma revisão controversa do sistema previdenciário no Congresso.”



Segundo a Bloomberg, analistas indicam que o vazamento “provavelmente terá amplas repercussões políticas e jurídicas, incluindo uma possível tentativa dos legisladores de criar uma CPI, processos judiciais buscando a anulação das sentenças da Lava Jato e um eventual atraso no debate da reforma da Previdência no Congresso”.

Via Blog do Brasilianismo/UOL