Temer diz que se importa mais com reformas do que com popularidade

UOL

O presidente da República, Michel Temer (MDB), esteve nesta segunda-feira (12) em Roraima para discutir o impacto da imigração venezuelana no Estado. Sem citar as críticas que sofreu ontem durante o desfile da escola de samba do Rio Paraíso do Tuiuti, o presidente aproveitou seu pronunciamento para, além de anunciar medidas locais, negar que faça “palanque politiqueiro” e para defender a reforma trabalhista e outros pontos de seu legado.




“Aliás, tenho demonstrado, ao longo desse ano e oito meses que não tenho nenhuma preocupação de natureza politiqueira ou eleitoral. Se tivesse não teria tomado as medidas radicais que tomei ao longo do tempo, como o teto dos gastos públicos”, disse. Recentemente, ele vem dando indícios de que poderá tentar concorrer à eleição presidencial no pleito de outubro.

Leia também:Jornalista da Globo fica sem graça ao ouvir música Vai dar PT ao vivo

O desfile da Tuiuti trouxe o enredo “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão” e tentou mostrar que, apesar da Lei Áurea de 1888, até hoje há outras maneiras de escravizar as pessoas. Entre as citações estiveram uma ala sobre “manifestoches”, fazendo menção aos protestos de 2016 contra a então presidente da República Dilma Rousseff (PT), e uma fantasia de “Vampiro Neo Liberalista”, referência a Temer. Na passagem da imagem pela avenida, grande parte dos presentes gritou “Fora Temer”.





As reformas trabalhista, já aprovada no ano passado, e da Previdência, grande meta do governo federal neste ano, também foram criticadas durante o desfile. No pronunciamento de hoje, Temer defendeu seu legado e falou que se quisesse popularidade, não teria aprovado a reforma trabalhista.