Reprodução: Twitter

Vídeo: Apresentadora de TV no Chile expulsa convidado que defendeu ditadura militar





Diferente do que ocorre no Brasil, onde a grande mídia brasileira, dá guarida a defensores da ditadura militar e até relativizam a ditadura militar, dizendo que foi uma “ditabranda”, em outros países latino-americanos, como no Chile, defensor de ditaduras militares de extrema-direita, são repudiados e expulsos do programa.

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

O fato, ocorreu na última sexta-feira (29) , quando a apresentadora Tonka Tomicic, pediu para o advogado Hermogenes Pérez de Arce, se retirar do estúdio do seu programa Bienvenidos 13, ele que é conhecido pela defesa de Pinochet.




Durante o programa, que fez um debate sobre os protestos que vem ocorrendo no país, Hermogenes foi perguntado sobre a brutalidade, repressão e violação de direitos humanos por parte da polícia,forças armadas chilenas e governo contra manifestantes, o advogado respondeu que : ” “Neste momento (direitos humanos) não são importantes. O importante é combater o crime que está devastando o país. ”

Ela logo pediu que Hermogenes, deixasse o programa e o estúdio: ” “Com licença. Quero perguntar, por favor, se você pode se retirar. Eu não acho aceitável o que você está fazendo”. “Não se pode compartilhar o espaço televisivo com uma pessoa que está negando parte da história do Chile”, afirmou Tomicic.

A cena e as imagens viralizaram nas redes sociais brasileiras.

Hermogenes afirmou também que “não houve torturas no período de Pinochet”, o que deixou outros convidados e membros extremamente irritados. Atitude similar de alguns membros do governo Bolsonaro e até colunistas da grande imprensa brasileira, que não são contestados publicamente e ao vivo como são no Chile.

O advogado, que é defensor de Pinochet, disse que foi “censurado” pela jornalista.

LEIA TAMBÉM:

A Ditadura de Pinochet, foi uma das mais sanguinárias e violentas na América Latina, na esteira dos golpes militares, financiados e apoiados pelos EUA, contra governos progressistas.

Segundo relatório, mais de 40 mil pessoas foram mortas pelo regime Pinochet. O Ditador de extrema-direita, ainda teve uma fortuna de milhões frutos de corrupção e desvios, um total de mais de 17,6 milhões de dólares, parte dessa sua fortuna teve que ser devolvida aos cofres públicos do Chile.

ASSISTA:





Confira o vídeo completo:

Com informações do UOL e Revista Fórum