Bolsonaro diz que que cancelou agenda por tomar remédio errado

Folha de São Paulo

Bolsonaro disse que cirurgia deve ser adiada para depois do Fórum Econômico Mundial em Davos

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou neste sábado (8) que cancelou a participação em uma formatura militar na sexta-feira (7), no interior de São Paulo, porque dormiu ao tomar uma medicação errada.



Leia também:

A declaração foi feita na Ilha de Villegagnon, Rio de Janeiro (RJ), onde está a sede da Escola Naval e onde o presidente eleito esteve manhã deste sábado em uma formatura de oficiais.

Na sexta-feira, Bolsonaro cancelou, na última hora, compromisso parecido. Ele deixou de ir à Pirassununga, no interior de São Paulo, onde participaria de uma formatura da AFA (Academia da Força Aérea).




“Estou tomando uma série de medicamentos e me confundi num. Foi isso o que aconteceu. Mas estou bem. Daí eu dormi. Ia para Pirassununga e a equipe médica resolveu cancelar”, disse.

“Foi como tomar um sonífero, dose além do normal. Foi isso o que aconteceu. Estou bem graças a Deus.”

O futuro chefe do GSI, general Augusto Heleno, disse que Bolsonaro chegou a questionar os médicos sobre a administração de remédios para dormir. Ouviu a recomendação de que deveria repousar.

Em sua conta no Twitter, na sexta, ele havia afirmado que a equipe médica lhe recomendou repouso.

Bolsonaro voltou ao Twitter no sábado confirmar que teve dificuldades para dormir e estava cansado com a agenda dos últimos dias em Brasília, que considerou extensa.

O presidente eleito também declarou que a cirurgia para retirada da bolsa de colostomia deve ser realizada após o Fórum Econômico Mundial, entre os dias 22 e 25 de janeiro em Davos (Suíça).

Contudo, não deixou claro o motivo da mudança. Ela estava prevista para ocorrer em dezembro, mas por decisão médica foi adiada para janeiro.

“Devo passar na quinta-feira pelo hospital novamente e tratarei desse assunto. Se tiver em condições agora, opero agora. Gostaria de não ficar uma semana baixado [afastado] depois de janeiro”, afirmou ele.

No evento em Pirassununga estavam o ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli; o deputado federal, e senador eleito, Major Olímpio, e o Ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna.




Na manhã deste sábado (8), Jair Bolsonaro presenciou a formatura de 228 aspirantes que serão declarados guardas-marinha e receberão “suas espadas, símbolo do Oficial de Marinha, após quatro anos de formação acadêmica e militar-naval”, diz assessoria da Escola Naval.

Receba nossas atualizações direto no Whatsapp

Receba nossas atualizações direto no Telegram

Vídeos relacionados: