Bolsonaro parabeniza Lava Jato por prisão de Pezão, a quem apoiou em 2014

Congresso em Foco

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) parabenizou nesta quinta-feira (29) a Polícia Federal e o Ministério Público após a deflagração da operação Boca de Lobo, desdobramento da Operação Lava Jato que prendeu o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB). Mas, em 2014, Bolsonaro era só elogios ao emedebista e o apoiou para o Legislativo fluminense (leia mais abaixo).



Bolsonaro disse que quando assumir o governo “vai ficar pior para os corruptos”. Segundo ele, o futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, terá carta branca na pasta. O presidente eleito também teceu elogios à Lava Jato nas redes sociais.

Deputado federal mais votado do Rio de Janeiro em 2014 (464.572 votos), naquele ano Bolsonaro era filiado ao PP e apoiou a candidatura de Pezão ao governo fluminense. Na ocasião, o emedebista venceu o hoje prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB).




Na época, Bolsonaro disse à reportagem do UOL (leia aqui) que optou por apoiar Pezão principalmente por causa do senador Francisco Dornelles (PP), candidato a vice na chapa. “É um contrapeso que pesa. Pezão me ligou, já conversei algumas vezes com ele, vou apoiá lo. Acredito que fará um governo equilibrado”, disse ao UOL. Porém, Bolsonaro disse que não pretendia fazer palanque para Pezão.

O governador do Rio está preso em Niterói e é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A Polícia Federal prendeu o político na residência oficial, o Palácio das Laranjeiras. Com a prisão, Dornelles assumiu o executivo estadual.

Segundo o Ministério Público, Pezão sucedeu Cabral no esquema de corrupção e criou sua própria organização. As irregularidades movimentaram ao menos R$ 39 milhões em propinas, em valores já atualizados. A maior parte do dinheiro foi embolsado pelo governador.

Receba nossas atualizações direto no Whatsapp

Receba nossas atualizações direto no Telegram