Chapa de Cristina Kirchner derrota Macri, aliado de Bolsonaro, nas eleições primárias na Argentina

As eleições primárias na Argentina, ocorridas neste domingo (11), mostram que o jogo político na América Latina, que viu a ascensão de governos de extrema direita nos últimos tempos, começa a mudar.

A chapa progressista encabeçada por Alberto Fernandez, com Cristina Kirchner na vice-presidência, derrotou o grupo conservador de direita liderado pelo atual mandatário, Mauricio Macri – apoiado por Jair Bolsonaro. Na primeira parcial, com 58,7% das urnas apuradas, Fernandez/Kirchner obtiverem 47,01% dos votos, contra 32,66% do presidente, que tenta a reeleição.



Macri concedeu entrevista ao informativo El Destape reconhecendo a derrota. “Dói ver que não tivemos hoje o resultado que esperávamos”, disse o atual mandatário argentino.

Cerca de 75% dos eleitores aptos foram às urnas, de acordo com a Justiça eleitoral – 4 pontos percentuais a mais que na última primária presidencial, em 2015. As urnas ficaram abertas das 8h às 18h. Pesquisas de boca de urna mostram a vitória de Fernandez/Kirchner, que teriam atingido porcentual acima dos 45%.




Pelas normas da eleição argentina, há chance de o pleito ser definido já no primeiro turno. Se a chapa mais votada tiver 40% dos votos úteis e 10 pontos percentuais a mais que a segunda colocada, estará eleita. Ou, então, se obtiver simplesmente 45% mais um voto.

As eleições gerais ocorrerão em 27 de outubro. Um eventual segundo turno está marcado para 24 de novembro. O novo governo assumirá em 10 de dezembro.

Paso

As eleições Paso – como são chamadas as primárias na Argenitna – servem como uma pesquisa nacional, mas são obrigatórias para todos os argentinos entre 18 e 70 anos que estão registrados no sistema eleitoral. A participação é optativa apenas para os jovens de 16 e 17 anos e para os maiores de 70 anos.

As eleições são consideradas “abertas” por não exigirem afiliação partidária e terem a participação de todos os cidadãos. São “simultâneas” porque se realizam no mesmo dia em todo o país.

Cerca de 34 milhões de argentinos estão habilitados para votarem nas 185 mil urnas distribuídas pelo país, em mais de 14 mil colégios.

Além de definirem quem serão os candidatos a presidente e vice-presidente, as eleições Paso definem os candidatos para renovar um terço dos senadores (24 cadeiras) e a metade dos deputados (130 cadeiras). Esse tipo de votação – Paso – é realizado sempre no segundo domingo de agosto e funciona como um filtro, pois elimina as candidaturas que não alcancem o piso de 1,5% dos votos.

Matéria da Revista Fórum