em Economia

Gás de cozinha por R$40 e gasolina a R$4: petroleiro diz que é possível; saiba como :

16/09/2021

Petroleiro explica o porque dos preços altos praticados no Brasil e afirma que há saídas se houver vontade de governo e apoio da população. De acordo com o petroleiro, o principal motivo dos preços altos é a paridade internacional, adotada em 2016 e que pode ser mudada pelo presidente.

Brasil de Fato

Todos os brasileiros vão ao supermercado ou que possuem um automóvel têm percebido os seguidos aumentos de preços, tanto dos alimentos como do combustível. Isso num momento de crise econômica e social, desemprego elevado e volta da fome. Nesta matéria focamos no aumento do preço dos combustíveis, buscando entender suas causas, as consequências e o que fazer para reverter esse quadro.

No Recife o preço médio do litro de gasolina está em torno de R$ 6,20 e o diesel por R$ 4,60 o litro. Só este ano a gasolina teve seu preço elevado em 31,2%, enquanto o diesel subiu 28%. A capital pernambucana tem uma grande quantidade de postos de combustível, o que eleva a concorrência e faz o preço baixar. Mas ainda assim os preços estão pesando muito no bolso da população.

Há muita confusão sobre quem seria o culpado pelos aumentos, com muita gente culpando os governos estaduais por uma suposta cobrança elevada do imposto sobre circulação de mercadorias e serviços de transporte (ICMS), que corresponde a 27,6% do preço da gasolina. Os impostos federais são 11,5% do preço, a distribuidora e revendedora de combustível fica com 10,4% e há ainda 16,9% referente ao custo do etanol (no Brasil produzido à base de cana de açúcar) que é misturado à gasolina.

RELACIONADOS:

Comerciante bolsonarista amarra e espanca quilombola

CPI da Pandemia convoca Ana Cristina Valle, ex-esposa de Bolsonaro

Mas para completar os 100% ainda faltam os 33,6% correspondentes ao serviço da Petrobras, que extrai a maior parte do petróleo produzido no país e é (ou ao menos era) responsável pelo refino. Nesses 33,6% estão inseridos os salários dos trabalhadores da Petrobras, os altos custos da indústria do petróleo, mas essa estrutura não foi ampliada nos últimos anos – ao contrário, tem sido desmontada, para reduzir os custos. Então por que os preços subiram?

Rogério Almeida, trabalhador da Refinaria Abreu e Lima (Petrobras) e coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores Petroleiros de Pernambuco e Paraíba (Sindipetro PE/PB), elenca três fatores principais que afetam o preço do combustível no Brasil: a paridade internacional de preços adotada em 2016, a redução da capacidade das refinarias e um “tabelamento pelo alto” para favorecer as petroleiras estrangeiras. Ele considera que o gás de cozinha poderia estar chegando ao cliente final por R$ 40, o litro da gasolina por no máximo R$ 4,00 e do diesel por no máximo R$ 3,50


SIGA NOSSO TELEGRAM:

Preços com Paridade de Importação (PPI) e a dolarização

Ele explica como funcionava a definição de preços antes de 2016. “Levavam em conta o preço internacional do barril, mas só como parâmetro. A nossa produção era baseada nos nossos custos, em Real, considerando fatores como a inflação e o momento econômico do país. E esses preços eram reavaliados a cada três meses, com reajustes”, diz Rogério Almeida. “Mas desde 2016, logo após o golpe contra a presidenta Dilma [Rousseff], um dos primeiros atos de Michel Temer foi mudar a política de preços da Petrobras”, lembra o trabalhador da refinaria.

Leia a matéria completa no Brasil de Fato

   

APOIE NOSSO TRABALHO AQUI:

 
   

PIX para doações: apoiefalandove[email protected]

Os comentários estão desativados.