Morre catador fuzilado pelo exército, tentando salvar músico morto com 80 tiros

Folha de São Paulo

O catador de material reciclado Luciano Moraes morreu na madrugada desta quinta-feira (8), após 11 dias internado no Hospital Carlos Chagas, em razão dos tiros disparados por militares do Exército na zona oeste do Rio de Janeiro.

Moraes é a segunda vítima fatal da ação dos militares em Guadalupe. O músico Evaldo Santos Rosa morreu no local após ser atingido.

O catador foi atingido ao tentar salvar a família que estava dentro do carro fuzilado. O veículo levava cinco pessoas, sendo uma criança de sete anos. Era uma família a caminho de um chá de bebê numa tarde de domingo.

O sogro de Evaldo, Sérgio de Araújo, foi ferido e segue internado no Hospital Albert Schweitzer. A mulher, o filho e uma amiga do músico não se feriram.

Nove militares estão presos preventivamente em razão da ocorrência.

Enterro do músico que foi fuzilado pelo exército

Inicialmente, o Exército afirmou que disparou contra um veículo roubado cujo ocupantes dispararam contra a patrulha. Apenas no fim de domingo foi informado a abertura de uma investigação.