MP aposta em delação de Queiroz

De Guilherme Amado e Eduardo Barretto na Revista Época.

Não foi gratuita a estratégia de quebrar o sigilo bancário de tantos funcionários do antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, para além dos sigilos do próprio Flávio e de Fabrício Queiroz.

São dois os objetivos dos investigadores do caso.



Primeiro, tentam descobrir fluxos de dinheiro que vinham passando despercebidos aos olhos do Ministério Público, e o possível envolvimento de outros funcionários na rachadinha.

Também miram nos peixes pequenos do suposto esquema, que, ameaçados, possam se interessar por uma delação premiada.