em Internacional

Netanyahu, amigo e aliado de Bolsonaro, é indiciado por corrupção em Israel





Conversa Afiada

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, foi indiciado nesta quinta-feira 21/XI por suborno, fraude e quebra de confiança em uma série de casos de corrupção de longa duração, colocando seu futuro político em risco e aumentando a incerteza e o caos em torno da luta de Israel para escolher seu próximo governante. A denúncia foi apresentada pelo procurador-geral Avichai Mandelblit.

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

Netanyahu se tornou o primeiro chefe de Estado de Israel a ser indiciado ainda no cargo.

Segundo o New York Times, os processos contra ele envolvem denúncias de prestar ou oferecer lucrativos favores a vários magnatas da mídia em troca de uma cobertura favorável em meios de comunicação e dar presentes no valor de centenas de milhares de dólares.




LEIA TAMBÉM:

A última investigação trata de um suposto acordo entre Netanyahu e Arnon Mozes, editor do jornal Yedioth Ahronoth. Em um diálogo gravado, o primeiro-ministro disse a Mozes que aprovaria uma lei para enfraquecer o jornal concorrente em troca de uma cobertura favorável.

Ainda de acordo com o jornal, Netanyahu não é legalmente obrigado a renunciar ao cargo. Mas, com o sistema político de Israel já em território desconhecido, tendo falhado em escolher um novo primeiro-ministro após duas eleições e três tentativas de formar um governo desde abril, o processo criminal contra ele poderá dificultar ainda mais a manutenção do poder.

Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | VK | Instagram

Os comentários estão desativados.

<--retirado daqui os relacionados Mobile -->