Telegram afirma que não houve invasão de seus servidores para interceptar conversas de Moro

Do twitter do jornalista Carlos Aros:

O @telegrambr afirmou ao @TechTudo que não houve violação das transmissões de conversas entre os procuradores da Lava Jato. Segundo a ferramenta, também não houve qualquer tipo de violação em seus servidores que levaram ao compartilhamento dos dados com terceiros.



O aplicativo de mensagens reforçou a tese que vem sendo apresentada por especialistas – e que eu já expliquei na @radiojovempan – de que a vulnerabilidade foi explorada diretamente nos dispositivos (smartphones).

Duas possibilidades para isso:

1) um malware instalado silenciosamente no aparelho deu acesso não só ao Telegram, mas a tudo o que havia no smartphone invadido (isso é bem comum!)




2) a obtenção do código enviado pelo Telegram por SMS para validar o acesso ao aplicativo em outro dispositivo. Isso pode ter sido feito por meio da clonagem da linha ou interceptação. Essa segunda opção é menos comum.

Ouvi de especialistas que apenas um aparelho violado seria capaz de gerar o volume de informações obtidas pelo hacker e publicadas pelo site Intercept. Afinal, mesmo com a criptografia ponta a ponta do Telegram, tendo acesso ao dispositivo, é possível acessar todas as conversas.]