em Perda de direitos

Trabalho intermitente não paga nem um salário mínimo

Prometeram que com a reforma trabalhista e trabalho intermitente, a vida do trabalhador brasileira iria melhorar e agora os resultados começam a aparecer. Ao contrário do que afirmavam os defensores da reforma trabalhista, a reforma não gerou os milhões de empregos e ainda criou uma legião de trabalhos precários, que pagam menos de um salário mínimo. A dura realidade da reforma trabalhista e suas consequências, ainda vem o tal “mercado” e fala que o povo precisa de mais reformas do tipo…




Ao contrário do que alardeou a mídia e os apoiadores da reforma trabalhista, entre eles Bolsonaro, que votou a favor da reforma, quando deputado, a reforma não gerou os milhões de empregos que prometiam.

Dados do Boletim em Pauta, do Dieese, mostram que os tais milhões de novos empregos prometidos pelos propagandistas da reforma do mercado financeiro, política e mídia, não se concretizaram.

Um em cada 10 contratos do trabalho intermitente, aprovados com a reforma trabalhista, não geraram renda ao trabalhador, informa o jornal Valor Econômico.




Segundo dados do Dieese, 11% dos contratos intermitentes não tiveram qualquer renda em 2018.

LEIA TAMBÉM:

Em 2018, foram cerca de 87 mil contratos intermitentes, equivalentes a 0,13% do estoque de vínculos.

A remuneração média dos contratos intermitentes foi cerca de R$ 763,00, menos que um salário mínimo, cerca de 80% do salário mínimo da época (2018)- R$ 954,00.

“Ao contrário dos outros tipos de vínculo, o intermitente é caracterizado pela instabilidade, já que não garante nem trabalho nem renda para os trabalhadores contratados nessa categoria”, constata o Dieese.

Apenas 17% dos contratos intermitentes conseguiram chegar a dois salários mínimos ( R$ 1.908,00).

O diretor técnico da entidade intersindical, Clemente Ganz Lúcio, em entrevista ao jornalista Glauco Faria, da Rádio Brasil Atual afirmou que os contratos intermitentes  legalizam a “precarização e informalidade”.



“O risco de não ter nenhuma atividade é muito grande e sem atividade o trabalhador não tem remuneração. No geral, em média, um trabalhador com vínculo intermitente leva dois meses de vínculo sem remuneração para ter uma primeira chamada, demanda de trabalho, e na média esse trabalho acaba girando em torno de três meses”, disse Clemente a Rádio Brasil Atual.

A realidade que o tal “mercado” te prometeu, não aconteceu.

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

Entre no nosso canal de Telegram e receba nossos conteúdos por lá

Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | VK | Instagram

 

 

 

 

Comments are closed.