Witzel bate em Moro: ‘Transformaram porteiro, que era testemunha, em investigado’





Do UOL:

Na guerra declarada com o governo federal, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), apontou sua artilharia para um novo inimigo: o ministro da Justiça, Sergio Moro. Hoje, depois de anunciar que vai processar o presidente Jair Bolsonaro por tê-lo acusado de manipular a polícia no caso Marielle, o governador criticou Moro por pedir abertura de inquérito contra o porteiro do condomínio Vivendas da Barra.

Foi ele que, em depoimento à polícia, disse que Élcio Queiroz, um dos acusados pela morte de Marielle Franco, anunciou que ia à casa de “seu Jair”, no dia do assassinato. “Esse inquérito instaurado, no meu ponto de vista, é indevido”, atacou Witzel, que é juiz federal aposentado.




“Pegaram uma testemunha para transformar em investigado por calúnia na Lei de Segurança Nacional, por obstrução de justiça e organização criminosa, que nem é o caso, porque o que está se investigando não é organização criminosa. E ainda por cima o crime de falso testemunho, algo que se apura só no final, quando o juiz dá a sentença e há evidências disso”.

LEIA TAMBÉM:

Depois de listar as barbeiragens no procedimento, apontou o responsável: “É um inquérito requisitado pelo ministro da Justiça, a meu ver absolutamente indevido”. O governador disse que Moro faz afirmações “levianas, de que há indícios de fraudes na condução do processo”, que está em segredo de Justiça. “Eu não tive acesso, acredito que o ministro da Justiça também não teve acesso. E se teve acesso, está falando além do que ele deveria falar. É preciso que as coisas sejam restabelecidas”, reclamou. .

(…)

Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | VK | Instagram