A história do prefeito do PSDB que se elegeu fazendo campanha preso

“A prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva suscitou o debate sobre se um político preso pode ser candidato às eleições. No caso do petista, a questão deve ser julgada apenas em setembro pela Justiça Eleitoral. Mas há outros casos semelhantes. Um deles chama a atenção: o do empresário rural Antério Mânica, hoje com 63 anos, que foi eleito prefeito de Unaí, Minas Gerais, pelo PSDB, em 2004, fazendo campanha da cadeia. E que venceu com mais de 70% dos votos. ”




“Mânica foi acusado de ser o mandante dos assassinatos de três fiscais do trabalho e um motorista do Ministério do Trabalho, no rumoroso caso que ficou conhecido como a “Chacina de Unaí”, que ocorreu em janeiro de 2004. Na época, ele ficou 16 dias seguidos preso. E ainda se reelegeu em 2008.

Somente em 2015, 11 anos depois, Mânica foi julgado por um júri popular, em Belo Horizonte (MG). Foi condenado a 100 anos de cadeia. Mas entrou com recurso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, e está em liberdade até hoje. ”



“O caso de Mânica foi citado pelo ministro Gilmar Mendes quando o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou e negou o habeas corpus para manter Lula fora da cadeia. Mendes falou do caso do fazendeiro como um exemplo dos problemas da Justiça.

““Esse crime reprovável em Unaí. Onde o reconhecido mandante foi condenado a cem anos de prisão e ainda está solto. Vai para a casa em seguida. É algo incompreensível. Incompreensível para o senso comum e para o senso técnico”, disse Gilmar Mendes.

Antério Mânica ainda mantém influência política na cidade. O atual prefeito de Unaí, Branquinho, do PSDB, foi eleito com seu apoio. Branquinho é um antigo aliado de Mânica, de quem foi vice-prefeito. ”

Receba nossas atualizações direto no Whatsapp

Continue a ler no Gazeta do Povo