FOTO: AFP

Acidentados perdem FGTS e estabilidade com Bolsonaro





O governo Bolsonaro editou a Medida Provisória 905,que desobriga as empresas de depositar o FGTS de trabalhadores que sofrem acidentes no percurso do trabalho ou quando se ausentam para tratar a saúde. A medida foi idealizada, pelo “Guru” de Bolsonaro, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, neoliberal conhecido e incensado pelo mercado financeiro, a medida também retira da lista de acidentes, os acidentes ocorridos no trajeto da ida e volta do trabalho. A informação é do Valor Econômico

A medida provisória entrou em vigor no dia 12 de novembro, desde esse dia o trabalhador que veio a se acidentar nas condições listadas acima, perdeu o direito a estabilidade no emprego de um ano.  O país contabilizou cerca de 100 mil acidentados, no transporte de trabalhadores, entre 2015 e 2017, com isso milhares de trabalhadores que vierem a se acidentar perderão seus direitos e sua estabilidade, uma verdadeira catástrofe social.




Deve ser por isso que Guedes e Bolsonaro falam tanto no AI-5, para reprimir manifestações que podem ocorrer, com a retirada de direitos, que muito em breve serão sentidas pela população, não é de se duvidar que as massas desprotegidas pelo estado e perdendo o pouco de direitos que tinham, venham a se manifestar nas ruas, da maneira deles…

LEIA TAMBÉM:

“A MP 905 é mais um vergonhoso ataque à classe trabalhadora. É um desrespeito à sociedade e ao Parlamento por modificar leis sobre o direito dos trabalhadores sem nenhum diálogo. Esperamos que o Congresso seja altivo e devolva imediatamente essa medida ao governo”, diz Sérgio Nobre, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

Segundo o Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho (MPT) em sete anos, o número de acidentes de trabalho no Brasil chegou a 4,5 milhões, o que corresponde a 1.760 acidentes notificados por dia. Foram 16,5 mil mortes (uma a cada 3 h 50 min), além de 740 mil cortes e dilacerações, 610 mil fraturas e 40 mil amputações.

Com informações do Valor Econômico 

Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | VK | Instagram