Bolsonaro diz que brasileiro é “uma das mãos de obras mais caras do mundo”

“Tenho dito à equipe econômica que na questão trabalhista nós devemos beirar a informalidade porque a nossa mão-de-obra é talvez uma das mais caras do mundo”, declarou o presidente, durante café da manhã com empresários no Chile neste sábado 23

247 – Em meio à discussão sobre a Reforma da Previdência, que prejudicará principalmente os trabalhadores mais pobres, o presidente Jair Bolsonaro deu mais uma declaração polêmica e contra os assalariados brasileiros neste sábado 23, durante um café da manhã com empresários no Chile. Ele disse que o brasileiro ganha muito e defendeu que o sistema do Brasil ‘beire a informalidade’.

A equipe econômica nossa também trabalha uma forma de desburocratizar o governo, desregulamentar muita coisa. Tenho dito à equipe econômica que na questão trabalhista nós devemos beirar a informalidade porque a nossa mão-de-obra é talvez uma das mais caras do mundo”, declarou.

Ele já havia dito algo parecido antes de tomar posse, em dezembro, quando declarou que “ser patrão é um tormento” no Brasil e que a lei tem que se aproximar da informalidade. Em outra ocasião, um dia após o ministro Onyx Lorenzoni anunciar o fim do Ministério do Trabalho, o então presidente eleito disse que “é horrível ser patrão no Brasil com essa legislação que está aí”.

LEIA TAMBÉM:

Na fala com os empresários, ele também voltou a falar em ideologização nas escolas e também na imprensa. “Nos preocupa também, começou no governo Fernando Henrique e se agravou nos governos Lula e Dilma, a questão ideológica que tomou conta das universidades e inclusive das escolas de ensino fundamental e também da grande mídia. É difícil encontrar um jornalista da grande imprensa que possa discutir conosco de igual para igual. Sempre tem um viés de esquerda nas discussões e parece que eles não querem enxergar ou foram doutrinados demais”, afirmou.