Bolsonaro é o presidente estreante mais mal avaliado em 24 anos, diz Ibope

UOL

A presidência de Jair Bolsonaro (PSL) é considerada “ótima ou boa” por 34% dos brasileiros. Essa é a pior avaliação para um terceiro mês de um presidente estreante (ou seja, desconsiderando os segundos mandatos) nos últimos 24 anos, mostra pesquisa do Ibope divulgada hoje.

Queda em relação ao início do governo

O Ibope também diz que houve uma queda de 15 pontos na avaliação positiva do governo, e subiu 13 pontos o percentual de entrevistados que avaliam o governo negativamente desde o início do ano.

A confiança dos brasileiros no presidente também sofreu alterações desde o começo do governo.

Em janeiro, a maioria dos entrevistados (62%) dizia confiar em Bolsonaro, enquanto 30% das pessoas não confiavam e outros 6% preferiram não opinar.

Na pesquisa divulgada hoje, 49% diz confiar no mandatário, ao passo que 44% não confia.

Veja alguns outros dados estipulados pela pesquisa Ibope divulgada hoje:

Ricos e brancos avaliam melhor Bolsonaro: 49% dos que ganham mais de cinco salários mínimos avaliam positivamente o governo, o melhor índice entre os entrevistados; avaliação positiva também é maior entre os que se declaram brancos: 42% classificam como positivo o governo.


Nordeste lidera retração: 23% dos moradores da região classificaram o governo como bom ou ótimo na pesquisa de março; em relação a janeiro, houve uma queda de 19 pontos percentuais. Os moradores do Nordeste também são os que mais desaprovam a forma de o presidente governar: 49% não compactuam com a maneira Bolsonaro fazer política.


Evangélicos são os que mais confiam em Bolsonaro: Segundo o Ibope, 56% dos entrevistados que se identificam com a religião evangélica dizem confiar no presidente, o maior número entre os 31 segmentos avaliados.


Cidades das periferias têm grande aumento na avaliação negativa: Entre a pesquisa do Ibope em janeiro e a divulgada hoje, houve um aumento de 21 pontos percentuais entre os entrevistados que residem nas cidades das periferias brasileiras. 8% avaliavam como ruim ou péssima em janeiro, passando para 19% em fevereiro e chegando a 29% em março.


A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.