em Internacional

Líder religioso que ajudou a espalhar coronavírus na Coréia do Sul é preso

01/08/2020

Antes de mais nada uma notícia como essa pode preocupar alguns líderes religiosos no Brasil, que fizeram todo tipo Lobby para que templos fossem reabertos em plena pandemia. A prisão de um líder religioso por acusação de espalhar o coronavírus no país.




De acordo com autoridades sul coreanas, o líder de uma seita religiosa que ajudou a espalhar o coronavírus pelo país foi preso. Enquanto no Brasil, o presidente quis reabrir templos religiosos

A notícia pode preocupar pastores como Silas Malafaia e outros que tiveram que acabar com cultos em meio a pandemia através de decisões judiciais.




Lee-Man-Hee, de 88 anos, presidente da Igreja de Jesus Shincheonj, foi questionado por promotores da cidade de Suwaon (Coréia do Sul). De acordo com os promotores a igreja teria ajudado a contaminar alguns de seus membros e teria feito reuniões escondidas durante a pandemia.

Daí vem a parte que poderia influenciar outros países a tomar decisões similares.
 
Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

Clique aqui e receba nossas notícias pelo seu Telegram
 

LEIA TAMBÉM:

 

A campanha na Itália para “economia não parar” que custou 5400 mortes por coronavírus

Dono do Madero: Economia não pode parar por 5 ou 7 mil pessoas mortas por coronavírus

The Washington Post: “Bolsonaro é o pior no combate ao coronavírus”
 

O Tribunal da cidade de Suwaon, teria atendido pedido dos promotores e determinou a prisão de Lee-Man-Hee, antes que o mesmo pudesse vir a alterar provas.

Mesmo com o Brasil escalando em número de mortes e casos confirmados, a bancada evangélica estaria pressionando até julho, para a reabertura das Igrejas em meio a pandemia.
 


Lee-Man-Hee, fundador da Igreja de Jesus de Shincheonji Imagem: YONHAP

 

Agora você pode imaginar se a Justiça Brasileira começar a fazer o mesmo com líderes religiosos que fazem de tudo para furar a quarentena?

De acordo com as autoridades sul coreanas dos 14.336 casos de coronavírus no país, cerca de 5200 teriam vindo de cultos da Igreja.  A filial da Igreja na cidade de Daegu, teria se tornado um aglomerado de infecções.

No entanto, não apenas são líderes religiosos podem ser alvos e culpados pelas mortes de coronavírus. Na Itália, por exemplo, as famílias das vítimas estão processando as autoridades do estado pela morte de seus parentes e entes queridos.

Agora imagine algo do tipo no Brasil, que está perto de atingir 100 mil mortes e com um presidente que vive a propagandear a cloroquina, remédio comprovadamente sem eficácia contra o coronavírus.

Assim como o líder religioso sul coreano preso, serve de exemplo a outros países. A responsabilização de autoridades pelas mortes na pandemia, pode criar um precedente contra Jair Bolsonaro.

 

Inscreva-se no nosso Canal de Youtube :

 

Os comentários estão desativados.

<--retirado daqui os relacionados Mobile -->