Novo chanceler de Bolsonaro ataca ONU, mídia, PT, marxismo e “idéias anticristãs”

O diplomata Nélson Ernesto Araújo, futuro ministro das Relações Exteriores do governo Bolsonaro, escreveu artigo publicado no começo da noite desta segunda-feira no qual ataca o marxismo, o PT, as universidades, a mídia, as “ideias anticristãs” e mais “o alarmismo climático, o terceiro-mundismo automático, a adesão às pautas abortistas”; o Itamaraty foi duramente criticado e até a própria Organização das Nações Unidas (ONU), fórum por excelência da diplomacia mundial




247 – O diplomata Nélson Ernesto Araújo, futuro ministro das Relações Exteriores do governo Bolsonaro, escreveu artigo publicado no começo da noite desta segunda-feira (26) no qual ataca o marxismo, o PT, as universidades, a mídia, as “ideias anticristãs” e mais “o alarmismo climático, o terceiro-mundismo automático, a adesão às pautas abortistas”. O Itamaraty foi duramente criticado e até a própria Organização das Nações Unidas (ONU), fórum por excelência da diplomacia mundial

No texto, publicado no jornal Gazeta do Povo (aqui) ele reagiu de maneira agressiva às críticas ao anúncio de seu nome, em 14 de novembro. A reação no Itamaraty foi de escândalo pelo fato sem precedentes de um diplomata júnior ser alçado à condição de ministro das Relações Exteriores. Araújo foi promovido há poucos meses a ministro de primeira classe e chefia o Departamento de Estados Unidos e Canadá, um cargo de terceiro escalão. “Algumas pessoas gostariam que Jair Bolsonaro tivesse escolhido um chanceler que saísse pelo mundo pedindo desculpas. Jornalistas estão escandalizados, colegas diplomatas estão revoltados” -escreveu na abertura do artigo.



Segundo o futuro chanceler, sua meta é extirpar das relações internacionais brasileiras “a ideologia do PT”, o que incluiria acabar com a “transferência brutal de poder econômico em favor de países não democráticos e marxistas”, como a Venezuela -desconsiderando que a política externa brasileira é de Estado, e não de governo e que mantinha uma consistência histórica desde a década de 1970, interrompida apenas pelo golpe de 2016.

Leia também:

Depois de afirmar que “no idioma da ONU é impossível traduzir palavras como amor, fé e patriotismo”, Araújo defendeu um “mandato popular” no Itamaraty, sinalizando uma ideologização sem precedentes nas relações internacionais do Brasil. O ataque à ONU está em linha com aquela que é a grande referência global do futuro governo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que ataca as Nações Unidas com grande frequência.

“Você se satisfaz com o que escutou de sua professora de História numa aula do ensino médio, nunca mais estudou nada sobre marxismo ou qualquer outra corrente ideológica, e agora vem pontificar e tentar me dizer o que é ou o que não é ideologia? Os marxistas culturais de hoje dizem que o ‘marxismo cultural’ não existe e você acredita, simplesmente porque não tem os elementos de juízo e o conhecimento necessário”, escreveu o futuro ministro, deixanod mais uma vez claro que chegará ao Itamaraty disposto a causar crises, em vez de aplacá-las.

Araújo critica que a ideologia marxista tenha penetrado “insidiosamente na cultura e no comportamento, nas relações internacionais, na família e em toda parte”, com o objetivo de controle social.

Há um aspecto particularmente grave no artigo, pois o futuro ministro indicou de maneira mais ou menos explícita que haverá uma caça às bruxas e um tempo inédito de perseguições políticas no Itamaraty: “Se você repudia a ‘ideologia do PT’, mas não sabe o que ela é, desculpe, mas você não está capacitado para combatê-la e retirá-la do Itamaraty ou de onde quer que seja. Ao contrário, você está ajudando a perpetuá-la sob novas formas. Se a prioridade é extrair a ideologia de dentro do Itamaraty, não lhe parece conveniente ter um chanceler capaz de compreender a ideologia que existe dentro do Itamaraty?”.

Receba nossas atualizações direto no Whatsapp

Receba nossas atualizações direto no Telegram