em Denúncias

Dono da Havan é multado em 100 milhões por coagir funcionários a votar em Bolsonaro

Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina está processando as lojas Havan pelo seu proprietário, Luciano Hang, ter coagido funcionários a votar em Jair Bolsonaro nas eleições; segundo a ação, Hang se valeu da condição de empregador para “impor sua opinião política a respeito dos candidatos à Presidência da República e para vincular, de maneira absolutamente censurável, a manutenção dos postos de trabalho de seus colaboradores, valendo-se de métodos humilhantes, vexatórios e, até mesmo, de pesquisas eleitorais obrigatórias sem qualquer respaldo em lei’; MPT pede indenização de R$ 100 milhões




247 – O jornalista Leonardo Sakamoto, em seu blog, relata que o Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina está processando as lojas Havan, por intimidar seus funcionários a votarem em Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais; o valor da ação pode chegar a R$100 milhões.

Leia também:

O Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina está processando as lojas Havan por dano moral coletivo, por intimidar seus funcionários a votarem em Jair Bolsonaro. A ação coletiva foi estipulada em R$ 25 milhões, mas o MPT também pede o pagamento de R$ 5 mil a cada um dos 15 mil empregados, por dano moral individual.



De acordo com a ação, o dono da rede, Luciano Hang promoveu campanhas políticas em prol do candidato, com o envolvimento obrigatório de empregados em ”atos cívicos”.

Ele fez ameaças explícitas de fechar as lojas e dispensar os empregados, caso Fernando Haddad, adversário de seu candidato, ganhasse a eleição. Os trabalhadores também teriam sido constrangidos a responder a enquetes internas an em seus terminais de computadores, informando em quem votariam.

”Os réus valeram-se de sua condição de empregadores para impor sua opinião política a respeito dos candidatos à Presidência da República e para vincular, de maneira absolutamente censurável, a manutenção dos postos de trabalho de seus colaboradores, valendo-se de métodos humilhantes, vexatórios e, até mesmo, de ‘pesquisas eleitorais’ obrigatórias sem qualquer respaldo em lei”, dizem os procuradores.

Receba nossas atualizações direto no Whatsapp

Receba nossas atualizações direto no Telegram

Comments are closed.