(Crédito: Marcos Corrêa/PR)

PF do Moro abre inquérito contra porteiro que citou Bolsonaro no caso Marielle

Via Conversa Afiada

A pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), a Polícia Federal de Sergio Moro abriu inquérito para investigar supostos crimes por parte do porteiro que afirmou que um dos suspeitos de assassinar Marielle Franco foi à casa de Jair Bolsonaro horas antes do crime.

O MPRJ alega que o porteiro pode ter cometido os crimes de obstrução de justiça, falso testemunho e denunciação caluniosa. Além disso, o porteiro também será investigado por suposta calúnia ou difamação contra o presidente da República.



Na quarta-feira 30/X, o procurador-geral da República, Augusto Aras, remeteu ao MPRJ um ofício do ministro da Justiça, Sergio Moro, que pedia a instauração de inquérito para investigar as citações a Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM:

Reportagem do Jornal Nacional em 29/X sustentou que um porteiro do condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, disse que, no dia do assassinato de Marielle, Élcio de Queiroz, ex-policial militar acusado de envolvimento no crime, afirmou na portaria que iria à casa 58, de Jair Bolsonaro. Ao interfonar para a casa em questão, um homem com a mesma voz do presidente teria atendido e autorizado a entrada. O suspeito, porém, teria se dirigido a outra residência dentro do condomínio – a de Ronnie Lessa, acusado de atirar contra Marielle e seu motorista, Anderson Gomes.




Já que a Polícia Federal quer investigar possível crime de obstrução de justiça por parte do porteiro, cabe perguntar se o mesmo não poderia ser feito em relação a Bolsonaro.

No sábado 2/XI, o presidente confirmou que tomou para si os arquivos com as gravações da portaria: “Pegamos antes que fosse adulterado, pegamos lá toda a memória da secretária eletrônica, que é guardada há mais de anos, a voz não é minha”.

Ou a PF só atua para um lado?