Premiê de Israel também deve não ir a posse de Bolsonaro

Folha de São Paulo

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, não deverá mais participar da posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Ele era a principal estrela internacional no evento.

Segundo a Folha apurou, Netanyahu vai manter sua viagem para encontrar Bolsonaro no Rio na sexta (28), mas voltará a Israel no domingo (30). A posse será no dia 1º.

O motivo da mudança é a crise política no país de Bibi, como o premiê é conhecido.

LEIA TAMBÉM:

Sob pressão da ala ultraortodoxa de sua coalizão, irritada com o plano de obrigar religiosos desse grupo judaico a servir nas Forças Armadas, e enfrentando acusações de corrupção, Bibi adiantou as eleições parlamentares de novembro para abril.

Ele ainda é favorito para se manter no poder, mas as costuras precisam começar agora.

A viagem em si ainda está sob risco, a depender do agravamento da situação.

Para Bolsonaro, é um revés considerável. Tradicionalmente, pela data infame no calendário, a posse de presidentes brasileiros é esvaziada.

Ainda assim, os EUA cujo presidente, Donald Trump, é o grande ídolo de Bolsonaro na arena internacional, vão enviar apenas o secretário de Estado, Mike Pompeo —nem o vice, Mike Pence, virá.

Países europeus têm torcido nariz não só para o histórico de declarações do eleito, mas por sua disposição em deixar os acordos climáticos de Paris e a iniciativa da ONU por migração segura.

Recentemente, ao dizer que a França se tornará insuportável de viver por causa de imigrantes não-assimilados, Bolsonaro recebeu em troca ironia do embaixador do país no Brasil, que lembrou o número de homicídios locais (63 mil contra pouco mais de 800 por ano).

E Bolsonaro apostou tudo em Bibi, após aproximar-se de forma inédita de Israel.

Já na campanha, prometeu mover a Embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém, como fez Trump. Isso atraiu a ira de países muçulmanos e insinuações de boicote à compra de carne halal (tratada sob preceitos islâmicos) brasileira.

Hoje o país é um dos maiores produtores halal do mundo: 45% do frango e 40% da carne bovina exportados têm o selo.

A Liga Árabe queixou-se diretamente ao Itamaraty sobre a intenção de Bolsonaro e de seu chanceler, Ernesto Araújo, que é contrária à política ora neutra, ora pro-árabe histórica do Brasil.

A atitude de Bolsonaro tem a ver com sua base de eleitores evangélica, entusiasta do país —Jerusalém como capital única do Estado judeu é, para eles, uma verdade bíblica. Alas fundamentalistas ainda vêm Israel judeu como precondição para a volta de Jesus Cristo à Terra.

O Brasil advoga pela solução de dois Estados desde 1948. Nesse arranjo, Jerusalém seria dividida entre palestinos e israelenses. Como o conflito segue sem solução, a maioria esmagadora dos países mantém representação em Tel Aviv.

Por ora, o encontro com Bolsonaro segue de pé, na casa do presidente eleito. Bibi chegará no fim da manhã de sexta e voltará no domingo à noite, em princípio.

Bolsonaro havia anunciado em rede social nesta terça (25) que o novo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, viajará a Israel para trazer conhecimento de dessalinização de água do mar para aplicar ao Nordeste.