Motorista avança sobre manifestação pacífica e mata idoso do MST de 72 anos em Valinhos/SP

SOROCABA – Um motorista avançou com uma caminhonete contra integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) durante uma manifestação, na manhã desta quinta-feira (18), numa estrada rural de Valinhos, interior de São Paulo.



Um manifestante de 72 anos morreu e outras cinco pessoas, entre elas um jornalista que cobria o ato, ficaram feridas. Após o atropelamento, o motorista acelerou e fugiu, segundo a Polícia Militar. O crime aconteceu na ocupação ‘Marielle Vive!’, na Estrada dos Jequitibás, zona rural do município. Os moradores do acampamento reivindicavam água, saúde e escola, entregando folhetos a quem passava pelo local.

LEIA TAMBÉM:

De acordo com o advogado dos acampados, Alfredo Bonardo, cerca de 40 pessoas estavam sobre a pista para a panfletagem, quando a caminhonete se aproximou pela contramão e o motorista acelerou o veículo contra o grupo. Segundo Bonardo, alguns acampados fizeram menção de segurar o veículo, mas o motorista teria mostrado uma arma.




O idoso foi levado de ambulância para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Valinhos, mas não resistiu aos ferimentos. O jornalista, que trabalhava para o MST e usava uma câmera na cobertura do ato, também foi levado para a UPA. Ele passou por exames e permanecia em observação.

Ocupação do MST em Valinhos (SP) Foto: Divulgação/MST

Outros quatro manifestantes tiveram ferimentos leves e foram atendidos no local. A Polícia Militar e a Guarda Municipal foram atrás do veículo, mas não o alcançaram. A Polícia Civil informou que trabalhava na identificação do dono do veículo para chegar à autoria do atropelamento.

Em nota, o MST confirmou a morte de um manifestante, identificado apenas como “senhor Luiz” e repudiou o ataque. “A manifestação tinha como objetivo pressionar a prefeitura de Valinhos para garantir o fornecimento de água. As famílias também lutam pelo direito à terra e a realização da Reforma Agrária”, diz o texto.




O movimento informa, ainda, que o acampamento ‘Marielle Vive!’ conta com mais de mil famílias e existe desde o dia 14 de abril de 2018, após uma ocupação na Fazenda Eldorado Empreendimentos Ltda. “As famílias exigem a punição imediata a este assassino, que age sob o clima de terror contra os movimentos populares, incentivado por autoridades que estão no governo brasileiro”, conclui a nota.

A reportagem entrou em contato com a prefeitura de Valinhos e aguarda o retorno.

Via Estadão