em Política

Roberto Alvim: Bolsonaro não viu má intenção em citação de nazista

Roberto Alvim , ex-secretário especial de Cultura do governo Bolsonaro, demitido hoje (17) após repercussão de vídeo em que ele copia discurso de Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda Nazista, disse que Bolsonaro não teria visto “má intenção” em citar e copiar Goebbels. Ele afirmou que teve uma conversa com o presidente, logo após a repercussão do vídeo.




Roberto Alvim, que foi demitido hoje (17), após a repercussão do seu vídeo em que ele copia discurso de Joseph Goebbels, disse que falou hoje pela manhã com o presidente Jair Bolsonaro.

“Liguei para ele [Bolsonaro] e expliquei a coincidência retórica. Ele entendeu que não houve má intencionalidade e que eu não sabia a origem da menção”, comentou o secretário em entrevista ao programa Chamada Geral da rádio GaúchaZH.




Alvim afirma que o discurso que copiou Joseph Goebbels, foi contruído junto com assessores. O Palácio do Planalto no entanto preferiu não comentar ou se pronunciar pelo conteúdo da fala do ex-secretário.

Alvim disse que a semelhança no discurso foi uma “coincidência retórica” e que apesar de concordar com o trecho do vídeo diz “repudiar” idéias nazistas

“Eu sou cristão, minha vinculação ao povo judeu é absoluta. Então, peço, humildemente, de todo o coração, perdão às pessoas que se sentiram ofendidas por essa infeliz associação retórica”, disse Alvim
”Não há em nosso horizonte nenhuma conexão com o regime nazista”, completou.




A pressão maior para a saída de Alvim se deu pela Federação Israelita brasileira, que pediu a imediata demissão do ex-secretário.

LEIA TAMBÉM:

Nazismo é de direita, define Museu do Holocausto visitado por Bolsonaro em Israel

Compare o discurso de Goebbels e Alvim

Goebbels:

Segundo o livro “Goebbels: a Biography“, de Peter Longerich, o líder nazista afirmou: “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”

ALVIM

“A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada”

Como ele afirmou, Bolsonaro não havia visto problema em citação nazista, talvez de fato só tenha mudado de idéia após ver a repercussão que isso causou.

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

Entre no nosso canal de Telegram e receba nossos conteúdos por lá

Com informações do Correio BrazilienseVeja o vídeo de Alvim:

Comments are closed.