TSE dá 3 dias para Bolsonaro se manifestar sobre indícios de irregularidades em sua campanha

UOL

O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Luís Roberto Barroso deu três dias para que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) esclareça indícios de irregularidades apontados pela área técnica do tribunal na prestação de contas de campanha.

A Asepa (Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias), órgão técnico do TSE, pediu explicações sobre 23 pontos da prestação de contas eleitoral entregue pela equipe do presidente eleito, entre eles 17 indícios de “irregularidades” e “impropriedades”, segundo aponta o parecer.




Após receber a resposta da campanha, a área técnica do TSE elaborará um parecer final que deverá embasar o voto de Barroso, relator da prestação de contas de campanha de Bolsonaro. Posteriormente, as contas são julgadas pelo plenário do TSE, formado por sete ministros.

As contas de Bolsonaro têm que estar julgadas até a data de sua diplomação, em 10 de dezembro.

Segundo o relatório final, a campanha do presidente eleito teve R$ 4,377 milhões em receitas, sendo R$ 3.728 milhões recebidos na modalidade “financiamento coletivo”.



A campanha informou não ter gasto recursos do Fundo Especial de Financiamento, mantido com recursos públicos.

Procurada pela reportagem, a advogada Karina Kufa, coordenadora jurídica da campanha, informou que serão apresentadas ao TSE as respostas a cada apontamento, por se tratarem de “detalhes técnicos”.

“Não há nada que nos preocupe, pois as respostas, dentro do prazo estipulado, demonstrarão que não persistem e não possuem o condão e a gravidade para rejeitar as contas”, afirmou Karina.

Visitas a tribunais

O dia do presidente eleito foi ocupado com encontros com ministros de tribunais superiores.

Leia também:

No início da tarde, Bolsonaro fez uma rápida visita ao TSE, onde se encontrou com a presidente da Corte, ministra Rosa Weber, e outros ministros. O presidente eleito chegou e saiu do local sem falar com a imprensa, que se aglomerou na entrada da sala da Presidência do tribunal.

Segundo o TSE, Rosa Weber entregou a Bolsonaro um exemplar da Constituição. Após o encontro, o presidente eleito fez uma visita ao plenário da Corte, local onde ocorrerá a cerimônia de sua diplomação no próximo dia 10 de dezembro.

Já no encontro com o presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), aberto a jornalistas, Bolsonaro se disse “muito honrado” de ser recebido e acenou para cooperação com a Corte.




Por fim, ele visitou o STM (Superior Tribunal Militar), onde falou sobre o governo de transição e declarou que a pasta do Trabalho continuará com status de ministério. (*Com informações da Agência Brasil)

Receba nossas atualizações direto no Whatsapp

Receba nossas atualizações direto no Telegram