em História

Hitler odiava o comunismo e a esquerda e isso lembra algo

É comum entre os autores revisionistas de extrema-direita charlatões atuais afirmar que nazismo era de esquerda  e usam para evocar seus argumentos, que o nome do Partido de Hitler se chama “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães”. Hitler afirmou que os comunistas e marxistas (esquerda) roubaram o termo “socialista” e que socialismo na realidade ” é uma instituição ancestral ariana, germânica“. O significado que Hitler e seus apoiadores davam ao socialismo é de uma “terra comum aos ancestrais germânicos” e fazia questão de reafirmar que o socialismo deles “não repudiava a propriedade privada”.




O assunto sobre nazismo voltou a tona, nessa sexta-feira (17), quando o ex-secretário de Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim, copiou trechos do discurso de Joseph Goebbels, Ministro da propaganda nazista, para anunciar editais de Cultura, o que acabou gerando forte repercussão negativa para o governo.

O assunto ”pipocou” nas redes sociais.




O filho de Bolsonaro para tirar o foco das declarações de Alvim, falou do comunismo e que o “comunismo” foi pior que o nazismo…. diga isso para os presos em campos de concentração pelos nazistas, que foram libertados pelo exército soviético comunista.

Hitler odiava o comunismo e a esquerda e os via como o “Grande Mal”

No livro que Hitler escreveu enquanto estava preso, o Mein Kampf, há um capítulo que o título é bem sugestivo: “A  luta contra a frente vermelha”.

Em entrevista ao jornal The Guardian do ano de 1932, Hitler destilou todo seu ódio contra o pensamento esquerdista e comunista. O nome do artigo parece até o linguajar da extrema-direita brasileira atual e chama-se “Não há espaço para o estrangeiro, não há utilidade para o vagabundo”.




Nessa entrevista Hitler declarou que a culpa pela falência da Alemanha á época, era do ”bolchevismo implantado na nação”.

“Quando eu tomar conta da Alemanha, acabarei com o tributo externo e o bolchevismo em casa”, disse Hitler na entrevista.

”Matar o bolchevismo na Alemanha e restaurar 70 milhões de pessoas ao poder. A França deve sua força não aos seus exércitos mas às forças do bolchevismo e da dissensão em nosso meio” continuou Hitler na entrevista

Sobre o partido nazista ter o “Socialista” no meio, Hitler falou:

“O socialismo é uma instituição ariana germânica antiga. Nossos ancestrais alemães mantinham certas terras em comum. Eles cultivavam a ideia do bem comum. O marxismo não tem o direito de se disfarçar de socialismo. O socialismo, ao contrário do marxismo, não repudia a propriedade privada. O marxismo não envolve negação da personalidade e, ao contrário do marxismo, é patriótico”.

“Poderíamos nos chamar Partido Liberal. Optamos por nos chamar de Nacional-Socialistas. Não somos internacionalistas. Nosso socialismo é nacional. Exigimos o cumprimento das reivindicações justas das classes produtivas pelo Estado com base na solidariedade racial.” Para nós, estado e raça são um”. Concluiu Hitler.


Livrar a Alemanha do Marxismo, faixa de comício nazista / Crédito: Reprodução[/caption]

Hitler por fim concluiu que o “marxista/comunista” não é um homem saudável. Por ter “tais idéias”. Lembra até alguém que disse recentemente que pessoas de esquerda “não são normais”.

Em muitos comícios do Partido Nazista, era possível ver faixas com o mote “Morte ao Marxismo”, ou “Vamos livrar a Alemanha do Marxismo”. Esse ódio todo contra o comunismo, contra o esquerdismo, parece ter deixado frutos e sementes na extrema-direita atual.

Relutam em dizer que Hitler foi de extrema-direita, mesmo que na Europa os partidos de extrema-direita tenham aproximação e simpatia pública pelas idéias de Adolf Hitler. Como a extrema-direita da Hungria que fez um monumento em homenagem a ex-presidente que colaborou com Hitler e deportou mais de 400 mil judeus.

Hitler arregimentou apoio da alta burguesia e elite alemã contra o marxismo alemão. O apoio dos grandes empresários e industriais alemães a Hitler foi fundamental. Afinal a a elite alemã tinha pavor e ódio do comunismo, que estava ”rondando”.

Hitler via o marxismo/comunismo como doença pestilenta que precisava ser aniquilada.

LEIA TAMBÉM:

“A primeira tarefa em um governo verdadeiramente nacionalista era procurar e achar as forças que estivessem decididas a lutar uma guerra de aniquilação contra o marxismo e, em seguida, dar liberdade de ação a essas forças.” Hitler em sua autobiografia, o Mein Kampf

Se você continuar duvidando que Hitler odiava a esquerda, o comunismo, o marxismo, basta ler você mesmo o livro Mein Kampf de Hitler, para ver o visceral ódio aos comunistas que ele nutria. Não a toa os comunistas e marxistas, foram os primeiros a ser eliminados por Hitler em campos de concentração.

Esse ódio quase irracional a tudo que seja comunista, esquerdista, parece ser um ponto comum entre a extrema-direita atual e a de Hitler.

Com informações do Aventuras na História

Outras fontes usadas para o texto: As origens ideológicas do Nazismo/ Deustche Welle

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

Entre no nosso canal de Telegram e receba nossos conteúdos por lá

 

 

 

Comments are closed.