em Internacional, Tecnologia

Estudo com 96 mil pacientes não encontra eficácia da cloroquina contra COVID-19

A maior pesquisa sobre o Sars-CoV-2 e o uso da hidroxicloroquina foi publicada nessa sexta-feira (22), pela revista científica The Lancet. Um balde de água fria em Bolsonaro, Trump e outros que insistem em fazer propaganda da hidroxicloroquina como ”remédio mais eficaz” contra o coronavírus.




Uma pesquisa publicada na revista científica Lancet, renomada publicação científica, aponta que a hidroxicloroquina e cloroquina, não tem benefício contra o coronavírus.  Os resultados da pesquisa divulgados nessa sexta-feira (22) também mostram que não há melhora na recuperação dos infectados.

Clique aqui e receba nossas notícias no seu Whatsapp

O estudo também apontou um risco de morte com o uso do medicamento e piora cardíaca  durante a hospitalização por Sars-COV-2.




Segundo dados da pesquisa, foram observados cerca de 96.032 pacientes internados e notou que as pessoas que tomaram o medicamento durante a fase de hospitalização, tinham risco maior e morte.

No Brasil, Bolsonaro é um dos maiores defensores do uso da cloroquina contra o coronavírus. Um militante bolsonarista é dono da empresa que fabrica a cloroquina no Brasil.

Vídeo : Por que a extrema-direita nega o coronavírus, qual seu interesse:


 

Ontem, a SECOM (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República) publicou uma fake news em que atribuía a cloroquina, o posto de ”melhor tratamento contra o coronavírus”, segundo uma pesquisa com médicos de 30 países. No entanto a pesquisa com os médicos dos 30 países, não viu a cloroquina como o tratamento mais eficaz contra o coronavírus.

Segundo a pesquisa publicada na Revista The Lancet:

    • Dos pacientes que tomaram apenas cloroquina ou hidroxicloroquina, cerca de 1 a cada 6 pacientes morreram.
    • Dos que tomaram cloroquina ou hidroxicloroquina com macrólidos, cerca de 1 a cada 5 pacientes morreram.

Os cientistas também notaram que os pacientes que fizeram o uso das substâncias, tiveram maior chance de arritimia cardíaca.

Este é o maior estudo feito com pacientes infectados e internados com a Covid-19 e a prescrição de cloroquina e hidroxicloroquina. A Organização Mundial da Saúde (OMS) , alertou que o uso da hidroxicloroquina e cloroquina, podem causar efeitos colaterais e não tem eficácia comprovada contra o COVID-19.




=
Veja a pesquisa completa na Revista The Lancet 

LEIA TAMBÉM:

 

 

 

Os comentários estão desativados.